Pedro Chagas Freitas

Portugal
n. 25 Set 1979
escritor

O Amor Inspira-se no Clandestino

O amor inspira-se no clandestino, estávamos escondidos do mundo e abertos para nós, olhei-te nos olhos e encontrei-te os meses que passámos separados, a grande dor de não te ter, a casa era desconhecida, desabitada, disseste-me tu, não quero saber como tinhas a chave, ainda hoje não quero, o mistério é um amor por descobrir, e quando se descobre pode não ser amor nenhum –

aguentar nesta vida é preservar mistérios, segredos que nunca podem deixar de o ser, espaços por preencher, lacunas que passamos o tempo a tentar ocupar, descodificar, tentar que não falte nada é a melhor receita para nunca faltar nada,
desde que continue sempre a faltar qualquer coisa.

Pedro Chagas Freitas, in 'Queres Casar Comigo Todos os Dias, Bárbara?'




Facebook

A Mulher Inteligente

Sou doente pela mulher inteligente. Sou fanático pela mulher inteligente. Sou viciado na inteligência da mulher inteligente. Preciso dela, exijo-a a toda a hora, persigo-a como um cão com fome pe...

Preciso de Ti

O amor é bem capaz de ser a melhor maneira de nos encontrarmos connosco. Preciso de ti para saber de mim. Sei-o sempre que por minutos parece que vou perder-te, numa discussão das que vamos tendo...

O Abraço

O abraço. O abraço que parece estar a acabar. O abraço raro, o abraço verdadeiro. Da mãe que recebe o filho, da mulher que recebe o marido, do amigo que recebe o amigo. O abraço que não se pensa, que...
Inspirações

Ímpeto de Voar

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE