José Tolentino Mendonça

Portugal
n. 15 Dez 1965
Padre/Teólogo/Poeta

O Custo do Nosso Amor

Torno muitas vezes, mesmo em pensamento, a uma cena do fílme-testamento de Andrei Tarkovsky, O Sacrifício (Offret, 1986). No dia do aniversário de Alexander, o protagonista da história, o presente mais inesperado (e também mais precioso) é o que lhe é oferecido pelo carteiro: um mapa do século XVII. Surpreendido por aquele gesto, Alexander agradece muito, mas faz tenção de devolver o dom ao oferente, com a objeção de que se trata de uma coisa rara, sem dúvida demasiado custosa. Ele aceitaria quando muito uma lembrança simples. Um presente daquela natureza não poderia receber. Mas o carteiro responde: «Todo o presente é um sacrifício. Caso contrário, como é que poderia ser um dom?»
A nossa cultura acha que qualquer discurso sobre o sacrifício é repressivo e impopular, e remete-os para debaixo do tapete. O que não admira. Uma cultura que se autorrepresenta como um interminável parque de diversões aposta tudo na infantilização dos sujeitos (ou dos «públicos», como agora se diz). E claro que, no polo oposto, uma mentalidade sacrificial, onde o sacrifício passa a ser a finalidade dele mesmo, se torna também neurótica e estéril. As religiões sabem bem disso, porque têm sido campo favorável para o grassar de visões parciais desse tipo. Talvez precisemos de reinventar novos pontos de equilíbrio e, com isso, de redescobrir que por detrás de tudo o que é grande, belo e verdadeiro está necessariamente o sacrifício, como disponibilidade para assumir o custo do nosso amor.

José Tolentino Mendonça, in 'O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas'




Facebook

Inspirações

Falar ao Amigo

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE