Francis Bacon

Inglaterra
22 Jan 1561 // 9 Abr 1626
Filósofo, Ensaísta, Politico

O Domínio da Ira

Querer extinguir inteiramente a cólera é pretensão louca dos estóicos. A cólera deve ser limitada e confinada, tanto na extensão como no tempo. Diremos em primeiro lugar como a inclinação natural e o hábito adquirido para se encolerizar podem ser temperados e acalmados. Diremos, em segundo lugar, como os movimentos particulares da cólera podem ser reprimidos, ou pelo menos refreados, para que não façam mal. Diremos, em terceiro lugar, como suscitar ou apaziguar a cólera nas outras pessoas.
Quanto ao primeiro ponto. Não há outro caminho senão o de meditar e ruminar muito bem os efeitos da cólera, de ver quanto ela perturba a vida humana. E a melhor ocasião de fazer isso, será depois de o acesso ter passado, reflectindo sobre as desvantagens da cólera. Séneca disse muito bem que «a cólera é como uma ruína que se quebra contra o que derruba». (...) Deve o homem cuidar de temperar a cólera mais pelo desdém do que pelo temor, para que assim possa estar acima da injúria e não abaixo dela: o que será coisa fácil, para quem quiser obedecer a esta lei.
Quanto ao segundo ponto. Há três causas e motivos principais da cólera. Primeiro, ser demasiado sensível ao toque, porque aquele que não se sente magoado não se encoleriza; eis porque as pessoas ternas e delicadas necessitam muitas vezes de estar em cólera, pois há muitas coisas que as magoam, às quais não são sensíveis os carácteres mais robustos. Depois, a apreensão e a construção da injúria recebida, em circunstâncias cheias de desprezo; porque é o desprezo que agrava a cólera, tanto ou mais do que a própria ofensa; e eis porque, quando os homens são engenhosos em discernir as circunstâncias do desprezo, fazem assim aumentar a sua própria cólera. Finalmente, a opinião de que foi tocada a nossa reputação multiplica e aviva a cólera; para isso o remédio é, como Gonsalvo constumava dizer, talam honoris crassiorem (Mais crassa pele na honra). Mas, em todas estas retenções da cólera, o melhor remédio é ganhar tempo, e persuadir-se que a oportunidade da vingança ainda não chegou, mas não deixará de vir; e assim tranquilizar-se entrementes. e reservar-se para a ocasião.

Para conter a cólera e evitar os seus malefícios, ainda que ela se apodere inteiramente de vós, há duas coisas de que deveis especialmente acautelar-vos. Uma, é a extrema violência de palavras, especialmente se forem aguçadas e pessoais; porque communia maledicta (insultos comuns) não tem tanta importância; e, além disso, não revelar segredos durante a cólera, porque isso vos torna impróprio da vida social. Outra, nunca quebrar negócio algum por um acesso de cólera; por maior que vos pareça a amargura das palavras, não façais coisa alguma que seja irrevogável.

Quanto a provocar e a apaziguar a cólera em outrém, é preciso para irritar as pessoas, escolher de preferência as ocasiões em que estão mais mal dispostas. Além disso, reunir (como já foi dito), tudo quanto puderdes encontrar que agrave o desprezo. Os dois remédios estão nos contrários. O primeiro, é escolher uma boa ocasião, para, antes de mais, relatar um negócio triste: porque a primeira impressão é muito importante; e o outro é abstrair, tanto quanto seja possível, da suspeita de desprezo, a construção da injúria, imputando-a a um mal entendido, ao temor à paixão, ou ao que quiserdes.

Francis Bacon, in 'Da Cólera'




Facebook

loading...
© Copyright 2003-2018 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE