José Luís Nunes Martins

Portugal
n. 14 Mar 1971
Filósofo

O Medo do Fim

Alguns pensam que a felicidade é a ausência de sofrimento... mas, na verdade, está errada essa ideia. A felicidade e o sofrimento são ambos pilares fundamentais da existência. Sem sofrimento a nossa humanidade não seria provada e os nossos dias não teriam valor. Assim também a felicidade, sendo a alegria mais profunda, é o que dá sentido a todas as noites... não são realidades que se possam medir, mas não deixam de ser algo tão concreto como as nossas duas mãos, que sempre trabalham em conjunto, sabendo cada uma o seu papel e o seu valor.

Evitar a dor não nos torna mais fortes.

Tememos as perdas. Tememos a morte. Talvez porque o nada é um abismo que assusta todos quantos têm uma vida com valor. Porque somos impelidos a defender o significado do que erguemos aqui. Não se quer aceitar que tudo quanto se construiu, durante uma vida, seja suprimido sem deixar rasto. Quantas vezes não é o momento do fim que se teme, mas antes o que se pode fazer até lá?

O Medo do Fim

Caminhar rumo ao desconhecido é uma prova de coragem e de fé diante das evidências deste mundo. Os olhos não querem ver nem as pernas caminhar, mas o caminho faz-se pela ousadia de acreditar e esperar ainda mais, ainda melhor.

Também há quem tema o fim por não saber lidar com momentos de balanço sérios às suas decisões e gestos, à forma como conduz a sua vida, àquilo que, afinal, escolheu ser... apesar de tudo. Nestas alturas de julgar as obras, neste tempo de verdade, há edificações interiores que se revelam... fragilidades e podridões que se manifestam, e que tememos que sejam... determinantes.

Há quem julgue que a profundidade da vida é coisa de histórias infantis... e oriente a sua existência rumo à superficialidade do ter: ao dinheiro, poder, títulos, casas, carros, festas, prazeres imediatos... Anulam-se. Desprezam-se, desprezando os outros, ignoram a possibilidade concreta de serem felizes, lá desde o fundo do seu bom coração de criança.

No final, o que importa mesmo é que tenhamos tido a força de fazer chegar aos outros o sorriso único que cada um traz no fundo de si... A essência. A alma. O amor. Quem não se ensinou a si próprio a viver assim, não estará preparado para viver depois do fim...

Só podemos compreender a plenitude da nossa identidade num horizonte de eternidade, na esperança da existência de um céu muito concreto. Um céu de que este mundo faz parte. Um céu que está próximo. Que se pode tocar aqui mesmo. Que se revela em cada gesto de sofrimento... e de amor.

Há que viver a certeza da esperança de que por detrás do que vemos não existe um nada, mas algo de muito bom. Não há esperança firme na vida enquanto não se a estender ao que está para além do que podemos conhecer aqui. Se nos reduzimos ao que somos nesta vida, então não somos nada. Esta vida é demasiado breve e limitada. Talvez a terra só exista para manifestar o céu.

O mistério da vida revela-se a cada momento. A eternidade está toda aqui e agora. Morremos a cada dia, mas também amamos e, por isso, todos os dias criamos algo de novo que não morrerá nunca.

O amor é a prova absoluta da eternidade. Não pode ser destruído, muito menos num instante só. Quem ama, sabe que vive... para sempre.

José Luís Nunes Martins, in 'Amor, Silêncios e Tempestades'
[Autoria da Ilustração: Carlos Ribeiro]




Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE