Giovanni Papini

Itália
9 Jan 1881 // 8 Jul 1956
Escritor

Preguiça Corporal e Preguiça Espiritual

Há um trabalho servil, que é do corpo e para o corpo, embora a mente ajude, e um trabalho régio, que é da alma e para a alma, e quase ninguém exige às mãos. Há, portanto, uma preguiça corporal e outra espiritual, uma ou outra senhora de todos.
A primeira é dominada - não destruída - pela necessidade e pelo tédio; a outra, reforçada pela arrogância, raramente é vencida. Os homens são indolentes que trabalham contra a vontade com os braços e a inteligência para fugir ao trabalho mais difícil da alma.
As actividade imoderadas de muitos não passam de pretextos da ociosidade espiritual. Em vez de se afadigarem para conseguir a renúncia dos bens materiais, sujeitam-se a um trabalho totalmente exterior que por vezes se converte, devido a inércia ou embriaguez, em frenesim.
Mas reformar a natureza doente e transviada, abandonar a senda da concupiscência e alcançar a liberdade serena dos filhos da luz representa um trabalho incomparavelmente mais duro do que dirigir uma empresa, fábrica ou banco. A maioria, por cáclculo de indolência, prefere o trabalho servil, embora penoso, ao real, mais áspero e duro - torna-se escravo das coisas terrestres para evitar o esforço que o tornaria dono do espírito.
O trabalho esclavagista é na verdade incomparavelmente menos fatigante do que a ascese, quer por ser mais bem adaptado ao homem carnal, mais propenso a exercitar os membros do que reestruturar a alma, quer por prometer riquezas, honras e prazeres tangíveis, mais em conformidade com a sua natureza sensual e presunçosa.

Giovanni Papini, in 'Relatório Sobre os Homens'




Facebook

Inspirações

A Única Felicidade

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE