Gabriel García Márquez

Colômbia
6 Mar 1927 // 17 Abr 2014
Escritor/Jornalista [Nobel 1982]

Técnicas de Narrador

Os que me conheceram aos quatro anos dizem que era pálido e ensimesmado e que só falava para contar disparates, mas os meus relatos eram em grande parte episódios simples da vida diária, que eu tornava mais atraentes com pormenores fantásticos para que os adultos me prestassem atenção. A minha melhor fonte de inspiração eram as conversas que os mais velhos mantinham diante de mim, porque pensavam que não as entendia, ou as que cifravam de propósito para que não as entendesse. E, de facto, acontecia o contrário: absorvia-as como uma esponja, desmontava-as em peças, alterava-as para escamotear a origem, e quando as contava aos mesmos que as tinham contado ficavam perplexos pelas coincidências entre o que eu dizia e o que eles pensavam.

Às vezes não sabia o que fazer com a minha consciência e procurava dissimular com um rápido pestanejar. Tanto era assim que algum racionalista da família decidiu que eu fosse observado por um médico da vista, que atribuiu o meu pestanejar a uma infecção das amígdalas e me receitou um xarope de rábano iodado que me fez muito bem para aliviar os adultos. A avó, por seu lado, chegou à conclusão providencial de que o neto era adivinho. Isso transformou-a na minha vítima favorita, até ao dia em que sofreu uma vertigem porque sonhei na verdade que tinha saído um pássaro vivo da boca do avô. O susto de que morresse por minha culpa foi o primeiro elemento moderador do meu precoce desvario. Agora penso que não eram infâmias de criança, como se podia pensar, mas técnicas rudimentares de narrador em embrião para tornar a realidade mais divertida e compreensível.

Gabriel García Marquez, in 'Viver para Contá-la'




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE