Manoel de Oliveira

Portugal
11 Dez 1908 // 2 Abr 2015
Cineasta

Tudo Tem de Ser a Favor da Humanidade

Quando fiz o Cristóvão Colombo, e depois fiz uma apresentação em França, defendi que a hipótese de o navegador ter nascido em Portugal não era uma questão de patriotismo. O mérito está na pessoa, seja ela de que nacionalidade for. E o mérito de qualquer pessoa dá mérito à nação a que pertence, e dá mérito à humanidade. Essas figuras não são cativas delas próprias. É isto o fundo humanista, porque tudo tem de ser a favor da humanidade. Se for contra, é mau. Isso é muito importante. É assim que, quando um realizador português recebe um prémio, está a recebê-lo a cinematografia portuguesa, está a recebê-lo Portugal, a Europa, o mundo cinematográfico. Isto não é assim tão individual como parece. Quando se fala muito de Camões, estamos a falar dos portugueses, mas também do mérito dos humanos. As pessoas estão obcecadas com o patriotismo: "Eu é que sou." Não é nada disso. O humanismo é que é fundamental e, às vezes, é esquecido. Mesmo nos partidos políticos, que muitas vezes caem no sectarismo. A natureza humana, em qualquer um dos partidos, é sempre a mesma. Não muda. É nela que está o mal e o bem. Mas concordo com a existência dos partidos, porque a democracia atende a uma certa diversidade no humanismo. É nessa medida que eu aprovo a democracia. O humanismo é que é fundamental.

Manoel de Oliveira, in 'Jornal Público, 2008'




Facebook

Inspirações

Amar para Sempre

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE