Franz Kafka

Austria
3 Jul 1883 // 3 Jun 1924
Escritor

Viver Sozinho

A infelicidade do celibatário, pretensa ou verdadeira, é tão fácil de adivinhar pelo mundo que o rodeia que ele maldiz a decisão, pelo menos se ficou solteiro por causa dos prazeres que tem em segredo. Anda por aí com o casaco abotoado, as mãos nos bolsos do casaco, os braços flectidos, o chapéu bem enterrado para a cara, um sorriso falso, que se tornou natural nele, pretende esconder-lhe a boca como os óculos lhe escondem os olhos, as calças demasiado apertadas para parecerem bem nas pernas. Mas toda a gente sabe da sua situação, pode pormenorizar os sofrimentos. Uma brisa fria sopra sobre ele vinda de dentro e ele olha lá para dentro com a metade ainda mais triste da sua dupla cara. Muda-se incessantemente, mas com regularidade previsível, de um apartamento para outro. Quanto mais foge dos vivos, para quem, contudo, e é este o ponto mais cruel, ele tem de trabalhar como um escravo consciente, que não pode revelar a sua consciência, tanto menor é o espaço que consideram bastar-lhe. Enquanto é a morte que irá fazer tombar os outros, mesmo que tenham passado a vida num leito de doente, porque embora eles já há muito tivessem sucumbido por si próprios devido à sua fraqueza, agarram-se contudo às pessoas que amam, parentes muito saudáveis por sangue ou casamento, ele, o celibatário, ainda a meio da vida, aparentemente de sua própria vontade, resigna-se de boa vontade a um espaço cada vez mais pequeno e quando morre o caixão tem o tamanho exacto do seu corpo.

Franz Kafka, in 'Diário (03 Dez 1911)'




Facebook

© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE