José Luís Nunes Martins

Portugal
n. 14 Mar 1971
Filósofo

Viver Tranquilamente

Ter a morte por perto assusta, mas permitir que esse medo seja tão incapacitante que só a própria morte lhe possa pôr fim é algo tremendamente absurdo.

Aquilo de que verdadeiramente a maior parte das pessoas tem medo é de viver uma vida sem sentido. Passar o seu tempo, o único tempo que tem, a fazer escolhas erradas. A verdade da vida parece bem mais evidente perante a consciência do seu/nosso fim iminente.

Viver Tranquilamente

Saibamos escutar os conselhos tranquilos e sábios dos mais velhos, sem cair na tentação de os confrontar com a sua própria vida; talvez tenha sido precisamente por terem escolhido mal para si que, agora, nos podem ajudar a não fazermos o mesmo.

Aprender a procurar a tranquilidade e a vivê-la é algo extremamente simples e valioso. Trata-se de aceitar com um sorriso o que a vida nos dá, apreciar o pouco que seja, em vez de andarmos alienados a sonhar com coisas tontas. A nossa ansiedade, raiva e frustração são sinais de que algo de essencial está errado entre nós e o mundo, e talvez não seja o mundo.

Nada na vida é garantido e isso torna-a ainda mais bela. Um dom.

Devíamos deixar que a paz nos guiasse por entre os nossos dias e noites. Afinal, a felicidade não está nos sonhos, mas sim na capacidade que temos de aceitar e admirar calmamente o fragmento de vida que nos anima.

Quem assim sabe viver talvez possa encarar a morte como apenas mais um momento mau entre duas tranquilidades.

José Luís Nunes Martins, in 'Filosofias - 79 Reflexões'
[Autoria da Ilustração: Carlos Ribeiro]




Facebook

.
© Copyright 2003-2017 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE