Publicidade

Opinião de Leitura
A Experiência de Ler A Experiência de Ler

Autor: Lewis, C.S.

Leitor: Isabel Reis

Opinião

À sempre muito controversa questão “o que é um bom livro”, C. S. Lewis propõe-nos uma outra maneira de avaliar uma obra literária, deslocando o foco de avaliação do livro em si mesmo para a forma como é lida essa mesma obra. Ou seja, a valia de uma obra de arte, e no caso concreto de um livro, passa a depender da atitude do receptor face a ela, do uso que lhe dá. Passamos ao puro subjectivismo? Talvez. Ao fazer depender o valor do livro do próprio leitor, deixamos de poder afirmar categoricamente esta obra não presta, pois, em rigor, como saber se existe algum leitor que a recebeu do modo correcto? Mas é precisamente nesse estabelecer da “forma correcta de ler” que se matiza esse subjectivismo. Por que, segundo Lewis, existe, objectivamente, uma forma correcta de o fazer e é isso que ele nos demonstra neste interessante ensaio. Mas, não há dúvida que passaria a ser mais complicado o exercício de crítica, sobretudo a rejeição liminar de certos livros.

A questão de Lewis é se será possível identificar um mau livro como aquele que é lido de determinada maneira e um bom livro como um livro que é lido de uma outra.

Por que há ler e ler. À partida, distinguem-se os leitores em literatos (poucos) e iliteratos (muitos). Os primeiros são os que possuem sensibilidade literária, traduzida por uma busca constante da leitura, sentindo-lhe a falta quando dela privados e a ela se consagrando com atenção. Experimentam face a uma obra literária uma emoção e uma transformação da consciência, tornando-se em algo que não eram antes. Como resultado desta forma de ler, os literatos têm frequentemente presente no espírito o que leram. Foram tocados pela leitura.

O gosto pela leitura é, no caso dos verdadeiros amantes de literatura, um fim em si mesmo e não um meio para qualquer outra coisa, por muito válida que essa coisa seja, da procura do aperfeiçoamento pessoal, à busca de conhecimentos.

A primeira exigência que nos faz uma obra de arte é a de uma entrega. Retirarmo-nos do caminho. Ir além de nós próprios.
Os muitos usam a arte e os poucos a recebem.(deixar que a obra actue em nós)

Publicidade

Facebook
Publicidade

Publicidade

© Copyright 2003-2021 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE