Header load Poemas - António Nobre - Poemas / Poesia de António Nobre - Citador
 
 
 

António Nobre

Portugal
16 Ago 1867 // 18 Mar 1900
Poeta

41 Poemas

<< >>

Ó Virgens! (11)

Ó virgens que passaes, ao sol-poente,/ Pelas estradas ermas, a cantar!/ Eu quero ouvir uma canção ardente/ Que me transporte ao meu perdido lar.../ / Cantae-me, n'essa voz omnipotente,/ O sol que tom...

Epilogo (12)

Meu coração, não batas, pára!/ Meu coração, vae-te deitar!/ A nossa dor, bem sei, é amara,/ A nossa dor, bem sei, é amara.../ Meu coração, vamos sonhar.../ Ao mundo vim, mas enganado./ Sinto-me farto...

Purinha (13)

O Espirito, a Nuvem, a Sombra, a Chymera,/ Que (aonde ainda não sei) neste mundo me espera/ Aquella que, um dia, mais leve que a bruma,/ Toda cheia de véus, como uma Espuma,/ O Sr. Padre me dará p'ra...

Quando Chegar a Hora (14)

Quando eu, feliz! morrer, oiça, Sr. Abbade,/ Oiça isto que lhe peço:/ Mande-me abrir, alli, uma cova á vontade,/ Olhe: eu mesmo lh'a meço.../ / O coveiro é podão, fal-as sempre tão baixas.../...

Menino e Moço (15)

Tombou da haste a flor da minha infancia alada,/ Murchou na jarra de oiro o pudico jasmim:/ Voou aos altos céus Sta Aguia, linda fada,/ Que d'antes estendia as azas sobre mim./ / Julguei que fosse et...

O Meu Cachimbo (16)

Ó meu cachimbo! Amo-te immenso!/ Tu, meu thuribudo sagrado!/ Com que, bom Abbade, incenso/ A Abbadia do meu passado./ / Fumo? E occorre-me á lembrança/ Todo esse tempo que lá vae,/ Quando fumava, ain...

Carta a Manoel (17)

Manoel, tens razão. Venho tarde. Desculpa./ Mas não foi Anto, não fui eu quem teve a culpa,/ Foi Coimbra. Foi esta paysagem triste, triste,/ A cuja influencia a minha alma não reziste,/ Queres notici...

Á Toa (18)

O Primeiro Homem/ / Que lindo mundo! E eu só! Que tortura tamanha!/ Ninguem! Meu pae é o céu. Minha mãe é a montanha./ / A Montanha/ / Os meus cabellos são os pinheiraes sombrios/ E veias do meu corp...

A França! (19)

Vou sobre o Oceano (o luar de lindo enleva!)/ Por este mar de Gloria, em plena paz./ Terras da Patria somem-se na treva,/ Agoas de Portugal ficam, atraz.../ / Onde vou eu? Meu fado onde me leva?/ Ant...

Os Figos Pretos (20)

- Verdes figueiras soluçantes nos caminhos!/ Vós sois odiadas desde os seculos avós:/ Em vossos galhos nunca as aves fazem ninhos,/ Os noivos fogem de se amar ao pé de vós!/ / - Ó verdes figueira...
<< >>

Facebook

Inspirações

Deixar Ser

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE