Nuno Júdice

Portugal
n. 29 Abr 1949
Poeta/Ensaísta

A Origem do Mundo

De manhã, apanho as ervas do quintal. A terra,
ainda fresca, sai com as raízes; e mistura-se com
a névoa da madrugada. O mundo, então,
fica ao contrário: o céu, que não vejo, está
por baixo da terra; e as raízes sobem
numa direcção invisível. De dentro
de casa, porém, um cheiro a café chama
por mim: como se alguém me dissesse
que é preciso acordar, uma segunda vez,
para que as raízes cresçam por dentro da
terra e a névoa, dissipando-se, deixe ver o azul.

Nuno Júdice, in "Meditação sobre Ruínas"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Carta (Esboço)

Lembro-me agora que tenho de marcar um/ encontro contigo, num sítio em que ambos/ nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma/ das ocorrências da vida venha/ interferir no que temos para nos dizer....

Definição

Quem esquece o amor, e o dissipa, saberá/ que sentimento corrompe, ou apenas se o coração/ se encontra no vazio da memória? O vento/ não percorre a tarde com o seu canto alucinado,/ que só os loucos ...

É Isto o Amor

Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que/ me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a/ manhã da minha noite. É verdade que te podia/ dizer: «Como é mais fácil deixar que as coisas/ não mudem, ...
Inspirações

Um Homem Comum

Facebook