Herberto Helder

Portugal
23 Nov 1930 // 24 Mar 2015
Poeta

4 Poemas



O Amor em Visita (1)

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra/ e seu arbusto de sangue. Com ela/ encantarei a noite./ Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher./ Seus ombros beijarei, a pedra pequena/ do sorriso d...

Sobre um Poema (2)

Um poema cresce inseguramente/ na confusão da carne,/ sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,/ talvez como sangue/ ou sombra de sangue pelos canais do ser./ / Fora existe o mundo. Fora, a esp...

A Bicicleta pela Lua Dentro - Mãe, Mãe (3)

A bicicleta pela lua dentro - mãe, mãe -/ ouvi dizer toda a neve./ As árvores crescem nos satélites./ Que hei-de fazer senão sonhar/ ao contrário quando novembro empunha -/ mãe, mãe - as tellhas dos ...

No Sorriso Louco das Mães (4)

No sorriso louco das mães batem as leves/ gotas de chuva. Nas amadas/ caras loucas batem e batem/ os dedos amarelos das candeias./ Que balouçam. Que são puras./ Gotas e candeias puras. E as mães/ apr...


Facebook

Só no Ato do Amor se Capta a Incógnita do Instante

Quero capturar o presente que pela sua própria natureza me é interdito: o presente me foge, a atualidade me escapa, a atualidade sou eu sempre no já. Só no ato do amor — pela límpida abstração de est...

O Absoluto é um Fardo Insuportável

Para oferecer conforto rudimentar, retirei peso às palavras e às ações. O conhecimento completo emudece as palavras e tolhe as ações. O absoluto é um fardo insuportável. A irresponsabilidade faz t...
© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE