Herberto Helder

Portugal
23 Nov 1930 // 24 Mar 2015
Poeta

4 Poemas



O Amor em Visita (1)

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra/ e seu arbusto de sangue. Com ela/ encantarei a noite./ Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher./ Seus ombros beijarei, a pedra pequena/ do sorriso d...

Sobre um Poema (2)

Um poema cresce inseguramente/ na confusão da carne,/ sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,/ talvez como sangue/ ou sombra de sangue pelos canais do ser./ / Fora existe o mundo. Fora, a esp...

A Bicicleta pela Lua Dentro - Mãe, Mãe (3)

A bicicleta pela lua dentro - mãe, mãe -/ ouvi dizer toda a neve./ As árvores crescem nos satélites./ Que hei-de fazer senão sonhar/ ao contrário quando novembro empunha -/ mãe, mãe - as tellhas dos ...

No Sorriso Louco das Mães (4)

No sorriso louco das mães batem as leves/ gotas de chuva. Nas amadas/ caras loucas batem e batem/ os dedos amarelos das candeias./ Que balouçam. Que são puras./ Gotas e candeias puras. E as mães/ apr...


Pesquisa

Facebook

Os Ideais São Superiores às Crenças

Sou, simplesmente, uma pessoa com algumas ideias que lhe têm servido de razoável governo em todas as circunstâncias, boas ou más, da vida. Costuma-se dizer que o melhor partido para um crente é compo...

Preciso de Ti para Ser Eu

Ser quem sou passa por ser capaz de criar ligações ao outro, com o outro e para o outro. Só há pessoas porque há relações. A minha existência é constituída pelos caminhos que sonho, construo e percor...