Jorge de Sena

Portugal
2 Nov 1919 // 4 Jun 1978
Poeta/Crítico/Ensaísta/Ficcionista

Amo-te Muito, Meu Amor, e Tanto

Amo-te muito, meu amor, e tanto
que, ao ter-te, amo-te mais, e mais ainda
depois de ter-te, meu amor. Não finda
com o próprio amor o amor do teu encanto.

Que encanto é o teu? Se continua enquanto
sofro a traição dos que, viscosos, prendem,
por uma paz da guerra a que se vendem,
a pura liberdade do meu canto,

um cântico da terra e do seu povo,
nesta invenção da humanidade inteira
que a cada instante há que inventar de novo,

tão quase é coisa ou sucessão que passa...
Que encanto é o teu? Deitado à tua beira,
sei que se rasga, eterno, o véu da Graça.

Jorge de Sena, in “Poesia, Vol. I”

// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Nasceu-te um Filho

Nasceu-te um filho. Não conhecerás,/ jamais, a extrema solidão da vida./ Se a não chegaste a conhecer, se a vida/ ta não mostrou - já não conhecerás/ / a dor terrível de a saber escondida/ até no pur...

Como Queiras, Amor...

Como queiras, Amor, como tu queiras./ Entregue a ti, a tudo me abandono,/ seguro e certo, num terror tranquilo./ A tudo quanto espero e quanto temo,/ entregue a ti, Amor, eu me dedico./ / Nada há que...

Cantar do Amigo Perfeito

Passado o mar, passado o mundo, em longes praias,/ de areia e ténues vagas, como esta/ em que haverá de nossos passos a memória/ embora soterrada pela areia nova,/ e em que sobre as muralhas quanta s...
Inspirações

Amar para Sempre

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE