Fernando Pessoa

Portugal
13 Jun 1888 // 30 Nov 1935
Poeta

Liberdade

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
// Consultar versos e eventuais rimas
Pesquisa

Não Digas Nada!

Não digas nada!/ Nem mesmo a verdade/ Há tanta suavidade em nada se dizer/ E tudo se entender —/ Tudo metade/ De sentir e de ver.../ Não digas nada/ Deixa esquecer/ / Talvez que amanhã/ Em outra pais...

Como Te Amo

Como te amo? Não sei de quantos modos vários/ Eu te adoro, mulher de olhos azuis e castos;/ Amo-te com o fervor dos meus sentidos gastos;/ Amo-te com o fervor dos meus preitos diários./ / É puro o me...

Tenho Tanto Sentimento

Tenho tanto sentimento/ Que é frequente persuadir-me/ De que sou sentimental,/ Mas reconheço, ao medir-me,/ Que tudo isso é pensamento,/ Que não senti afinal./ / Temos, todos que vivemos,/ Uma vida q...
Facebook