Fernando Pessoa

Portugal
13 Jun 1888 // 30 Nov 1935
Poeta

O Menino de Sua Mãe

No plano abandonado
Que a morna brisa aquece,
De balas trespassado
— Duas, de lado a lado —,
Jaz morto e arrefece.

Raia-lhe a farda o sangue.
De braços estendidos,
Alvo, louro, exangue,
Fita com olhar langue
E cego os céus perdidos.

Tão jovem! que jovem era!
(Agora que idade tem?)
Filho único, a mãe lhe dera
Um nome e o mantivera:
«O menino da sua mãe».

Caiu-lhe da algibeira
A cigarreira breve.
Dera-lha a mãe. Está inteira
E boa a cigarreira.
Ele é que já não serve.

De outra algibeira, alada
Ponta a roçar o solo,
A brancura embainhada
De um lenço... Deu-lho a criada
Velha que o trouxe ao colo.

Lá longe, em casa, há a prece:
«Que volte cedo, e bem!»
(Malhas que o império tece!)
Jaz morto, e apodrece,
O menino da sua mãe.

Fernando Pessoa, in 'Antologia Poética'




Facebook

Não Digas Nada!

Não digas nada!/ Nem mesmo a verdade/ Há tanta suavidade em nada se dizer/ E tudo se entender —/ Tudo metade/ De sentir e de ver.../ Não digas nada/ Deixa esquecer/ / Talvez que amanhã/ Em outra pais...

Liberdade

Ai que prazer/ Não cumprir um dever,/ Ter um livro para ler/ E não fazer!/ Ler é maçada,/ Estudar é nada./ Sol doira/ Sem literatura/ O rio corre, bem ou mal,/ Sem edição original./ E a brisa, essa,/...

Como Te Amo

Como te amo? Não sei de quantos modos vários/ Eu te adoro, mulher de olhos azuis e castos;/ Amo-te com o fervor dos meus sentidos gastos;/ Amo-te com o fervor dos meus preitos diários./ / É puro o me...
Inspirações

O Preço da Alma

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE