Vinicius de Moraes

Brasil
19 Out 1913 // 9 Jul 1980
Diplomata/Jornalista/Poeta/Compositor

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentado
Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente

E posso te dizer que o grande afeto que te deixo
Não trai o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma...
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o
                                        [olhar extático da aurora.

Vinicius de Moraes, in 'Antologia Poética'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Soneto do Amor Total

AMO-TE TANTO, meu amor... não cante / O humano coração com mais verdade... / Amo-te como amigo e como amante/ Numa sempre diversa realidade./ / Amo-te afim, de um calmo amor prestante/ E te amo além,...

Soneto de Fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento/ Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto/ Que mesmo em face do maior encanto/ Dele se encante mais meu pensamento./ / Quero vivê-lo em cada vão momento/ E em seu lo...

A Mulher que Passa

Meu Deus, eu quero a mulher que passa./ Seu dorso frio é um campo de lírios/ Tem sete cores nos seus cabelos/ Sete esperanças na boca fresca!/ / Oh! Como és linda, mulher que passas/ que me sacias e ...
Inspirações

A Casa Onde Moramos

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE