Publicidade

Antoine Gombaud

França
1607 // 1684
Matemático

Publicidade

A Justa Medida no Convívio

Não é necessário esforçar-se demasiado pela abundância quando se tem apenas a intenção de agradar, o valor e a raridade são bem mais consideráveis, a abundân­cia cansa, a menos que seja extremamente diversificada. Pode até mesmo ocorrer, pelo demasiado número de belas coisas, que não se goste tanto, e mesmo que se estime menos aqueles que as fazem ou que as dizem; pois a abundância atrai a inveja que arruína sempre a amizade. Essa abundância faz também com que não se admire mais aquilo que se achava, de início, tão surpreendente, pois fica-se acostumado, e aquilo não parece mais tão difícil.
Em todos os exercícios como a dança, o manejo das armas, voltear ou montar a cavalo, conhecem-se os exce­lentes mestres do ofício por um não sei quê de livre e desenvolto que agrada sempre, mas que não pode ser muito adquirido sem uma grande prática; não basta ainda ter-se exercitado assim por longo tempo, a menos que tenham sido tomados os melhores caminhos. As graças amam a justeza em tudo o que acabo de dizer; mas de um modo tão ingénuo, que dá a pensar que é um presente da natureza. Isto mostra-se também verdadeiro nos exer­cícios do espírito e na conversação, em que é necessário ter esta liberdade para se tornar agradável. Nada faz no­tar tanto a ignorância, e o pouco progresso, que maneiras forçadas, nas quais se percebe muito trabalho.

Antoine Gombaud, in 'Do Espírito da Conversação'




Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook
Publicidade

Inspirações

Atreve-te

Publicidade

© Copyright 2003-2021 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE