Cecília Meireles

Brasil
7 Nov 1901 // 9 Nov 1964
Poeta/Escritora

Como se Morre de Velhice

Como se morre de velhice
ou de acidente ou de doença,
morro, Senhor, de indiferença.

Da indiferença deste mundo
onde o que se sente e se pensa
não tem eco, na ausência imensa.

Na ausência, areia movediça
onde se escreve igual sentença
para o que é vencido e o que vença.

Salva-me, Senhor, do horizonte
sem estímulo ou recompensa
onde o amor equivale à ofensa.

De boca amarga e de alma triste
sinto a minha própria presença
num céu de loucura suspensa.

(Já não se morre de velhice
nem de acidente nem de doença,
mas, Senhor, só de indiferença.)

Cecília Meireles, in 'Poemas (1957)'
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

Recado aos Amigos Distantes

Meus companheiros amados,/ não vos espero nem chamo:/ porque vou para outros lados./ Mas é certo que vos amo./ / Nem sempre os que estão mais perto/ fazem melhor companhia./ Mesmo com sol encoberto,...

Não te Fies do Tempo nem da Eternidade

Não te fies do tempo nem da eternidade/ que as nuvens me puxam pelos vestidos,/ que os ventos me arrastam contra o meu desejo./ Apressa-te, amor, que amanhã eu morro,/ que amanhã morro e não te vejo!...

Lua Adversa

Tenho fases, como a lua,/ Fases de andar escondida,/ fases de vir para a rua... / Perdição da minha vida!/ Perdição da vida minha!/ Tenho fases de ser tua, / tenho outras de ser sozinha./ / Fases que...
Inspirações

As Faces da Bondade

© Copyright 2003-2016 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE