21 Poemas

>>

Liberdade (1)

Ai que prazer/ Não cumprir um dever,/ Ter um livro para ler/ E não fazer!/ Ler é maçada,/ Estudar é nada./ Sol doira/ Sem literatura/ O rio corre, bem ou mal,/ Sem edição original./ E a brisa, essa,/...

Conquista (2)

Livre não sou, que nem a própria vida/ Mo consente./ Mas a minha aguerrida/ Teimosia/ É quebrar dia a dia/ Um grilhão da corrente./ / Livre não sou, mas quero a liberdade./ Trago-a dentro de mim como...

A Verdadeira Liberdade (3)

A liberdade, sim, a liberdade!/ A verdadeira liberdade!/ Pensar sem desejos nem convicções./ Ser dono de si mesmo sem influência de romances!/ Existir sem Freud nem aeroplanos,/ Sem cabarets, nem na ...

Liberdade (4)

— Liberdade, que estais no céu.../ Rezava o padre-nosso que sabia,/ A pedir-te, humildemente,/ O pio de cada dia./ Mas a tua bondade omnipotente/ Nem me ouvia./ / — Liberdade, que estais na terra.....

Quem nos Ama não Menos nos Limita (5)

Não só quem nos odeia ou nos inveja/ Nos limita e oprime; quem nos ama/ Não menos nos limita./ Que os deuses me concedam que, despido/ / De afetos, tenha a fria liberdade/ Dos píncaros sem nada./ Que...

De que Serve a Bondade (6)

1/ / De que serve a bondade/ Quando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidos/ Aqueles para quem foram bondosos?/ / De que serve a liberdade/ Quando os livres têm que viver entre os não-livres?/...

Vivo uma Vida que não Quero nem Amo (7)

Súbdito inútil de astros dominantes,/ Passageiros como eu, vivo uma vida/ Que não quero nem amo,/ Minha porque sou ela,/ / No ergástulo de ser quem sou, contudo,/ De em mim pensar me livro, olhando n...

Evolução (8)

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo/ tronco ou ramo na incógnita floresta.../ Onda, espumei, quebrando-me na aresta/ Do granito, antiquíssimo inimigo.../ / Rugi, fera talvez, buscando abrigo/ N...

Podemos Crer-nos Livres (9)

Aqui, Neera, longe/ De homens e de cidades,/ Por ninguém nos tolher/ O passo, nem vedarem/ A nossa vista as casas,/ Podemos crer-nos livres./ / Bem sei, é flava, que inda/ Nos tolhe a vida o corpo,/ ...

Aqui (10)

Aqui, deposta enfim a minha imagem,/ Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem,/ No interior das coisas canto nua./ / Aqui livre sou eu — eco da lua/ E dos jardins, os gestos recebidos/ E o tumulto d...

O Último Negócio (11)

Certa manhã/ ia eu pelo caminho pedregoso,/ quando, de espada desembainhada,/ chegou o Rei no seu carro./ Gritei:/ — Vendo-me!/ O Rei tomou-me pela mão e disse:/ — Sou poderoso, posso comprar-te./ Ma...

A Solidão é Sempre Fundamento da Liberdade (12)

A solidão é sempre fundamento/ da liberdade. Mas também do espaço/ por onde se desenvolve o alargar do tempo/ à volta da atenção estrita do acto./ Húmus, e alma, é a solidão. E vento,/ quando da imóv...

Quero dos Deuses só que me não Lembrem (13)

Quero dos deuses só que me não lembrem./ Serei livre — sem dita nem desdita,/ Como o vento que é a vida/ Do ar que não é nada./ O ódio e o amor iguais nos buscam; ambos,/ Cada um com seu modo, nos op...

Meu Pai, o que é a Liberdade? (14)

- Meu pai, o que é a liberdade?/ / - É o seu rosto, meu filho,/ o seu jeito de indagar/ o mundo a pedir guarida/ no brilho do seu olhar./ A liberdade, meu filho,/ é o próprio rosto da vida/ que a vid...

Mors Liberatrix (15)

(A Bulhão Pato)/ / Na tua mão, sombrio cavaleiro,/ Cavaleiro vestido de armas pretas,/ Brilha uma espada feita de cometas,/ Que rasga a escuridão como um luzeiro./ / Caminhas no teu curso aventureiro...

Só Esta Liberdade nos Concedem os Deuses (16)

Só esta liberdade nos concedem/ Os deuses: submetermo-nos/ Ao seu domínio por vontade nossa./ Mais vale assim fazermos/ Porque só na ilusão da liberdade/ A liberdade existe./ / Nem outro jeito os deu...

Não Quero, Cloe, teu Amor, que Oprime (17)

Não quero, Cloe, teu amor, que oprime/ Porque me exige amor. Quero ser livre./ / A 'sperança é um dever do sentimento./ / Ricardo Reis, in Odes / Heterónimo de Fernand...

Libera Me (18)

Livrai-me, Senhor,/ De tudo o que for/ Vazio de amor./ / Que nunca me espere/ Quem bem me não quer/ (Homem ou mulher)./ / Livrai-me também/ De quem me detém/ E graça não tem,/ / E mais de quem não/ P...

Liberta em Pedra (19)

Livre, liberta em pedra./ Até onde couber/ tudo o que é dor maior,/ por dentro da harmonia jacente,/ aguda, fria, atroz,/ de cada dia./ / Não importam feições,/ curvas de seios e ancas,/ pés erectos ...

Ar Livre (20)

Enquanto os elefantes pela floresta galopavam/ no fumo do seu peso,/ perto, lá andava ela nua a cavalgar o antílope,/ com uma asa direita outra caída./ E a amazona seguia.../ e deixava a boca no sumo...
>>

Pesquisa

A Sopa Azeda

A dita sopa azeda não se parecia com nada do que tivesse provado até àquele momento. Num ápice, desfilaram vários sabores vindos como que do próprio interior do tempo. E, quando ele se pôs a percorrê...

Pudesse Eu Contar as Vezes

Pudesse eu contar as vezes que ferrei os cantos da boca imaginando que eram teus os dentes que assim me amavam; que eram os teus lábios aqueles que, nessas ocasiões, eu mordia. Lembras-te de uma fras...
Inspirações

Dar ao Amigo

Facebook