João Cabral de Melo Neto

Brasil
9 Jan 1920 // 9 Out 1999
Poeta/Diplomata

O Último Poema

Não sei quem me manda a poesia
nem se Quem disso a chamaria.

Mas quem quer que seja, quem for
esse Quem (eu mesmo, meu suor?),

seja mulher, paisagem ou o não
de que há preencher os vãos,

fazer, por exemplo, a muleta
que faz andar minha alma esquerda,

ao Quem que se dá à inglória pena
peço: que meu último poema

mande-o ainda em poema perverso,
de antilira, feito em antiverso.

João Cabral de Melo Neto, in 'Serial e Antes, A Educação pela Pedra e Depois, Rio de Janeiro, 1997'




Facebook

Inspirações

Amor Microscópico

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE