Eugénio de Andrade

Portugal
19 Jan 1923 // 13 Jun 2005
Poeta

Labirinto ou Alguns Lugares de Amor

O outono
por assim dizer
                   pois era verão
forrado de agulhas

a cal
rumorosa
do sol dos cardos

sem outras mãos que lentas barcas
vai-se aproximando a água

a nudez do vidro
a luz
a prumo dos mastros

os prados matinais
os pés
verdes quase

o brilho
das magnólias
apertado nos dentes

uma espécie de tumulto
as unhas
tão fatigadas dos dedos

o bosque abre-se beijo a beijo
                                        e é branco

Eugénio de Andrade, in "Véspera da Água"
// Consultar versos e eventuais rimas




Facebook

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE