Publicidade

Agostinho da Cruz

Portugal
1540 // 1619
Frade/Poeta

Publicidade

Os Olhos Meus dali Dependurados

Os olhos meus dali dependurados,
Pergunto ao mar, às ondas, aos penedos
Como, quando, por quem foram criados?

Respondem-me em segredo, mil segredos,
Cujas letras primeiras vou cortando
Nos pés de outros mais verdes arvoredos.

Assi com cousas mudas conversando,
Com mais quietação delas aprendo,
Que de outras, que ensinar querem falando.

Se pelejo, se grito, se contendo
Com armas, com razões com argumentos,
Elas só com calar ficam vencendo.

Ferido de tamanhos sentimentos
Fico fora de mim, fico corrido
De ver sobre que fiz meus fundamentos.

Frei Agostinho da Cruz (Agostinho Pimenta), in 'Antologia Poética'




Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook
Publicidade

Inspirações

Amar para Sempre

Publicidade

© Copyright 2003-2021 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE