José Anastácio da Cunha

Portugal
11 Mai 1744 // 1 Jan 1787
Matemático/Poeta/Militar

Os Porquês do Amor

Céu, porque tão convulso e consternado
Me bate, ao Vê-la, o coração no peito?
Porque pasma entre os beiços congelado,
Indo a falar-lhe, o tímido conceito?

Porque nas áureas ondas engolfado
Da caudalosa trança, inda que afeito,
Me naufraga o juízo embelezado,
E em ternura suavíssima desfeito?

Porque a luz dos seus olhos, tão activa,
Por lânguida inda mais encantadora,
Me cega, e por a ver, ansioso, clamo?

Porque da mão nevada sai tão viva
Chama, que me electriza e me devora?
Os mesmos meus porquês me dizem: - Amo!

José Anastácio da Cunha, in 'Antologia Poética'




Outros Poemas de José Anastácio da Cunha:

Facebook

Inspirações

Amor Sem Palavras

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE