José Anastácio da Cunha

Portugal
11 Mai 1744 // 1 Jan 1787
Matemático/Poeta/Militar

Pinheiro Manso

Copado, alto, gentil Pinheiro Manso;
Debaixo cujos ramos debruçados
Do sol ou lua nunca penetrados,
Já gozei, já gozei mais que descanso...

Quando para onde estás os olhos lanço,
Tantos gostos ao pé de ti passados
Vejo na fantasia retratados,
Tão vivos, que jàmais de ver-te canso!

Ah! deixa o outono vir; de um jasmineiro
te hei-de cobrir, terás cópia crescida
De flores, serás honra dêste outeiro.

E para te dar glória mais subida,
No meu tronco feliz, alto Pinheiro,
O teu nome escreverei de Margarida.   

José Anastácio da Cunha, in 'Antologia Poética'




Outros Poemas de José Anastácio da Cunha:

Facebook

Inspirações

Felicidade Pessoal

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE