Pedro Mexia

Portugal
n. 5 Dez 1972
Poeta / Cronista / Crítico Literário

Duplo Império

Atravesso as pontes mas
(o que é incompreensível)
não atravesso os rios,
preso como uma seta
nos efeitos precários da vontade.
Apenas tenho esta contemplação
das copas das árvores
e dos seus prenúncios celestes,
mas não chego a desfazer
as flores brancas e amarelas
que se desprendem.
As estações não se conhecem,
como lhes fora ordenado,
mas tecem o duplo império
do amor e da obscuridade.

Pedro Mexia, in "Duplo Império"
// Consultar versos e eventuais rimas




Outros Poemas de Pedro Mexia:

Facebook

Inspirações

Viver o Presente

© Copyright 2003-2019 Citador - Todos os direitos reservados | SOBRE O SITE